Rachaduras / Natalia Timerman

Rachaduras, estreia na ficção de Natalia Timerman, elenca 22 contos que falam dos dilemas do desejo em uma sociedade marcada por insatisfações, medos inconscientes, impasses sociais e pela agitação dos acasos cotidianos. Os textos da autora apresentam uma escrita ao mesmo tempo segura e experimental, tendendo ao poético, por meio de uma prosa límpida e permeada de oralidade, própria de uma expressividade inventiva e repleta de meandros significativos.

O livro é dividido em três partes. “Felizes para sempre”, a seção de abertura, traz histórias de casamentos, vida com os filhos, noites atormentadas pela insônia e pelo ímpeto de mudança, pela aposta de, uma vez mais, alcançar o prazer incerto da vida diária. A promessa de felicidade duradoura se esvai nos meandros do cotidiano atarefado, no desgaste e nas pequenas fissuras das relações.

O teor irônico do nome da primeira seção se repete na segunda parte, “Príncipes e princesas”, onde personagens em busca do amor romântico, ou simplesmente de satisfazer suas ilusões de paixão e interesse pelo outro, terminam por se desencontrar ou se desinteressar mutuamente. Em alguns dos contos a interferência das novas tecnologias indica que — além de facilitar a comunicação — as redes sociais, o celular e outros canais de informação também contribuem para os descaminhos dos desejos.

A terceira parte, que fecha o volume, intitula-se “Outros planos”. Os contos ganham um alcance temático mais amplo e se abrem para experiências da conflagração do espaço urbano, da desigualdade e das diferenças agudas. A linguagem e a estrutura dos contos também se deslocam para uma elaboração mais tensa. Sobressai o uso de uma linguagem das ruas, das gírias e de falas involuntárias. A experimentação também atinge a própria estrutura do conto, que tende a outras formas, como a do prontuário, da crônica e do diário. Algo da experiência pessoal da autora como médica psiquiátrica também avulta nessa seção sobre o descentramento do eu em um mundo de fortes contrastes, diversidade e sofrimento emocional.

Como diz o escritor João Anzanello Carrascoza, no texto de orelha do livro, os personagens do livro estão “à caça de uma furtiva felicidade”. Para a escritora Giovana Madalosso, que escreveu um texto para a quarta capa do livro, os contos da autora são “escritos com o cérebro à flor da pele”. Neles, “atravessamos a superfície do banal para encontrar o subterrâneo complexo e muitas vezes inesperado das relações”.

"Rachaduras" marca a primeira publicação ficcional da escritora e psicoterapeuta Natalia Timerman, depois de sua aclamada estreia com "Desterros" (ed. Elefante, 2017), um relato sobre a experiência da autora como médica psiquiátrica no Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário de São Paulo.

  • Rachaduras

    Natalia Timerman
    Gênero: contos
    ISBN: 978-85-93229-49-7
    Foto de capa: Luiz Gustavo Pereira Pinto
    Capa e projeto gráfico: Sílvia Nastari
    Brochura
    13x19cm
    152 pp.

R$44.00Preço